assembleia

assembleia

8 de outubro de 2022

Valorizando a regionalidade, empresa celebra história de São Luís com coleção inspirada em azulejos coloniais*

 



 


_Ícone cultural da cidade, os azulejos coloniais do Centro Histórico foram inspiração para coleção de revestimentos lançadas pelo Grupo Potiguar_ 


 


Eles estão nas fachadas das casas antigas, nos casarões, nas igrejas e integram o patrimônio arquitetônico e cultural da capital - os Azulejos do Centro Histórico de São Luís são um ícone maranhense e resgatam a história e a identidade da cidade que foi fundada por franceses e colonizada por portugueses e, desde 1995, é reconhecida pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade. 


Para homenagear esse grande símbolo cultural da capital maranhense, foi lançada uma linha de revestimentos cerâmicos fabricados sob demanda pelo Grupo Potiguar, em edição limitada. A coleção, intitulada Azulejos, surge como uma forma de celebrar a regionalidade e valorizar a história de São Luís. 


“Essa ação é mais uma declaração de amor a nossa maranhensidade. Somos uma empresa genuinamente maranhense e temos orgulho das belezas locais e da nossa cultura. E, no ano em que São Luís completa 25 anos do título de Patrimônio Mundial, criamos essa coleção para que todos que quiserem, possam levar a beleza colonial para suas casas” declarou o presidente do grupo, Marcelo Júlio Vieira Brasil. 


A coleção de revestimentos temáticos é composta por quatro modelos de azulejos inspirados nos famosos azulejos presentes no Centro Histórico de São Luís. Nos tamanhos de 15 cm x 15 cm, eles levam nomes alusivos às cidades portuguesas Loures, Cairas, Sines e Lagos. São ideais para uso em piscinas, lareiras, fachadas, churrasqueiras, cozinhas, banheiros, áreas externas e internas. 


A arquiteta Marina Bogéa, ao lado do sócio Marcos Moares, falou sobre a oportunidade de trabalhar com a nova coleção de azulejos. “Gostaríamos de agradecer a Potiguar pela oportunidade de mostrar o nosso trabalho e também parabenizar pela iniciativa em valorizar a nossa arquitetura ludovicense. Agora podemos ter a chance de utilizar esses lindos azulejos dentro de nossas residências, é uma forma de trazer um pouco da nossa cidade para dentro de casa”, conta. 


*História -* Segundo historiadores, os azulejos coloniais portugueses, além de esteticamente bonitos, serviam para minimizar a sensação térmica, reduzindo o calor nos imóveis. Os portugueses radicados no Maranhão resolveram revestir as fachadas com azulejos, pois esse era o material que mais atenderia às condições climáticas da região. Ou seja, eram resistentes às fortes chuvas do verão, funcionando como um isolante térmico.